quarta-feira, 26 de abril de 2017

Bênção do Lar - Oração


Deus, Pai de misericórdia,
criador de todas as coisas,
invocamos o Seu Espírito Santo
sobre este lar e seus moradores.

Assim como visitaste e abençoaste
a casa de Abraão, de Isac e de Jacó,
visita-os e guarda-os na Tua luz.


Guarda estas paredes de todos os perigos:
do incêndio, da inundação, do raio,
dos assaltos, de todo e qualquer mal.

Venham teus anjos portadores de paz!
Suplicamos também a proteção e a saúde
para todos os que aqui habitam.

Afasta-os da divisão e da falta de fé.
Abençoa e guarda este lar e todos os que o visitam.

Por Cristo nosso Senhor. Amém!

terça-feira, 25 de abril de 2017

O que significa a palavra Aleluia

E por que é usado tanto durante a Páscoa?

Durante os 40 dias de Quaresma a palavra “Aleluia” desapareceu da liturgia da Igreja. Nunca é dito nem uma vez. Então durante a Vigília Pascal, o padre entoa o grande Aleluia e parece que a Igreja não pode parar de repetir esta palavra repetidamente. Por que é que?
O que isso significa de qualquer maneira, e por que ele está tão intimamente associado com a estação da Páscoa?
Aleluia (às vezes escrito “Hallelujah”) é enraizado em uma expressão hebraica que significa “louvar o Senhor”. É encontrado na maioria das vezes como um tipo de antífona que é repetido no final dos Salmos. Encontra-se também no livro de Tobit, onde é referenciado como um hino de louvor a ser cantado na nova Jerusalém.
As portas de Jerusalém serão construídas de safira, e de esmeralda, e todas as suas paredes em redor de pedras preciosas. Todas as suas ruas serão pavimentadas com pedras brancas e limpas; e Aleluia será cantada em suas ruas. (Tobias 13,22)
Não surpreendentemente, também é encontrado no livro do Apocalipse.

Depois destas coisas ouvi como se fosse a voz de muita gente no céu, dizendo: Aleluia. Salvação, e glória, e poder é para o nosso Deus. Porque os seus juízos são verdadeiros e justos, que julgou a grande prostituta que corrompeu a terra com a sua prostituição, e vingou o sangue dos seus servos, às suas mãos. E novamente disseram: Aleluia. E a sua fumaça sobe pelos séculos dos séculos. E os vinte e quatro anciãos, e os quatro seres viventes, caíram e adoraram a Deus que estava assentado sobre o trono, dizendo: Amém; Aleluia. E uma voz saiu do trono, dizendo: Louvai ao nosso Deus, todos os seus servos; E vós que o temeis, pequenos e grandes. E ouvi como a voz de uma grande multidão, como a voz de muitas águas e como a voz de grandes trovões, dizendo: Aleluia: porque o Senhor, nosso Deus, o Todo-Poderoso, reinou. Alegremo-nos e exultemos, e glorifiquemos-lhe; Porque o matrimônio do Cordeiro chegou, e sua mulher se preparou. (Apocalipse 19, 1-7)
São Jerônimo é responsável pela tradução da expressão hebraica para a palavra “Aleluia” na Vulgata Latina, que foi usado na liturgia romana. É e sempre foi uma expressão de louvor, glorificando a Deus pela sua bondade. Por esta razão Alleluia está intimamente associado com uma época de alegria, e está em contraste com a atitude penitencial sombrio da Quaresma.
A Páscoa é um período de grande alegria e exultação, e cantando Aleluia é o caminho da Igreja para destacar esta realidade, continuamente dando louvor e honra a Deus.
Então, se você precisar de uma curta oração que louve a Deus, simplesmente diz: “Aleluia!”

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Mensagem de boa semana


Desejo de tudo um pouco!
Sensibilidade…
Para não ficar indiferente diante das belezas da vida.

Coragem…
Para colocar a timidez de lado e poder realizar o que tem vontade.

Solidariedade…
Para não ficar neutro diante do sofrimento da humanidade.

Bondade…
Para não desviar os olhos de quem te pede ajuda.

Tranquilidade…
Para quando chegar ao fim do dia, poder deitar e dormir o sono dos anjos.

Alegria…
Para você distribuí-la, colocando um sorriso no rosto de alguém.

Humildade…
Para você reconhecer aquilo que você não é.

Sinceridade…
Para você ser verdadeiro, gostar de si mesmo, e viver melhor.

Felicidade…
Para você descobri-la dentro de você e doá-la a quem precisar.

Amizade…
Para você descobrir que, quem tem um amigo, tem um tesouro.

Esperança…
Para fazer você acreditar na vida e se sentir uma eterna criança.

Sabedoria…
Para entender que só o bem existe, o resto é ilusão.

Desejos…
Para alimentar o seu corpo, dando prazer ao seu espírito.

Sonhos…
Para poder, todos os dias, alimentar sua alma.

Amor…
Para você ter alguém para amar e sentir-se amado.

Tenha de tudo, um pouco… E seja feliz!
Boa semana para você!

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Refletindo a Semana Santa: Quarta-feira - Jesus o Cordeiro de Deus


Durante a Quaresma nos preparamos com jejuns e orações para celebrarmos dignamente a Páscoa do Senhor. Jesus o Filho amado suportou todo tipo de humilhação e sofrimento para nos salvar. Apresentamos um roteiro para a Semana Santa, onde a cada dia seguindo os passos de Jesus estaremos vivenciando com maior fervor e mais concretamente o projeto salvífico de Deus acerca do homem e concretizado em Cristo.

QUARTA-FEIRA
Jesus o Cordeiro de Deus

Mt 26,14-25 O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que o trair.

Naquele tempo, um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus.


No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”. Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa.

Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?” Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”. - Palavra da Salvação.

Reflexão: Temos que aprender a usar sabiamente os dons que nos são presenteados por Deus. Judas não foi obrigado a trair Jesus, ele tinha a “liberdade” de escolha, mas preferiu se deixar levar pela irá, pela ganância e a cegueira do poder. Jesus também não foi obrigado a entregar sua vida em beneficio de muitos, ele tinha a “liberdade” de escolha, só que preferiu fazer a vontade do Pai, e agindo assim, Jesus transformou seu momento de paixão, em momento de glorificação.

O que estamos fazendo com os dons que recebemos de Deus? Será que estamos honrando as promessas feitas em nosso Batismo? 


fonte:http://catequesecristacatolica.blogspot.com.br/2017/04/refletindo-semana-santa-quarta-feira.html

O que fazer com meu ramo após o Domingo de Ramos?

Com os ramos em mãos, assumimos a missão de seguidores e participantes do projeto de Deus

Assim rezamos na oração de bênção dos Ramos: “Deus eterno e Todo Poderoso, “abençoai” estes ramos, para que, “seguindo” com alegria o Cristo, nosso Rei, cheguemos por ele à eterna Jerusalém”. Nesse sentido, guiados por essa oração temos duas palavras que nos ajudam refletir a importância e o significado dos ramos.
A invocação feita é um pedido de bênção para os ramos que temos em mãos ou que estão adornando o local da celebração. No “abençoai” se manifesta o pedido da igreja terrestre e peregrina, que quer e deseja entrar na Jerusalém Celeste.
Dessa forma, com os ramos em mãos, assumimos a missão de “seguidores” e participantes do projeto de Deus. A oração segue nos dizendo que o seguir é alegre e festivo. É celebrar junto o Mistério de morte e ressurreição.
Ramos: o significado e a tradição
Os ramos de oliveira eram comuns daquela região de Jesus, mas nos relata o evangelista Lucas que: “(…) enquanto Jesus passava, o povo ia estendendo suas roupas no caminho”. Hoje, os ramos de palmeiras são abençoados e, dessa forma, podem nos servir de remédio, proteção, mas, sobretudo, como memória do compromisso de seguidor de Cristo que assumo.

Está no costume da Igreja usar dos ramos abençoados neste dia para que, depois de secos, sejam queimados e usados na quarta-feira de cinzas. Muitos de nossos avós tinham também a tradição de queimá-los quando chegava o tempo de colheita, quando se aproximava uma tempestade ou ainda queimavam em torno de casa ou do local de trabalho para livrar de pestes e bichos peçonhentos.
Nesses gestos todos está a fé de que a bênção de Deus está presente nos ramos e é Ele o Senhor do tempo e da história.
Assim, como os filhos dos Hebreus com ramos de palmeira correram ao encontro de Jesus, somos também nós seus discípulos convidados a direcionar nossos passos e ações para Ele. E desse modo, sermos participantes do Mistério Pascal. A Jerusalém Celeste é o céu prometido a todos aqueles que, com seus ramos, glorificam a Deus. E, nos passos e ensinamentos de Jesus, aprenderemos que no mandamento maior está o Caminho e o maior desejo de Deus: “Amai-vos”, pois é desse sentimento que emana tudo aquilo que nos faz participantes da Filiação Divina – Filhos de Deus.

Fonte: http://catequesecatolica.com.br/site/o-que-fazer-com-meu-ramo-apos-o-domingo-de-ramos/