quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A humildade é a virtude dos pequeninos, não uma peça teatral - Papa Francisco


O Senhor revela o Mistério da Salvação aos pequeninos, não aos inteligentes e aos sábios. Foi  o que disse o Papa na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta.

O Papa se inspirou no Evangelho do dia de Lucas - “O louvor de Jesus ao Pai” - para destacar a preferência de Deus por quem sabe entender os seus mistérios, não os inteligentes e os sábios, mas o “coração dos pequeninos”. Também a primeira leitura, cheia de “pequenos detalhes”, observou Francisco, “vai nesta direção”. O profeta Isaias, de fato, fala de “um pequeno broto” que “nascerá no tronco de Jessé”, e não de “um exército” que trará a libertação. E os pequeninos são os protagonistas também do Natal:

“Depois, no Natal, veremos esta pequenez, esta pequena coisa: uma criança, uma estrebaria, uma mãe, um pai… As pequenas coisas. Corações grandes, mas atitude de pequeninos. E sobre este broto se repousará o Espírito do Senhor, o Espírito Santo, e este pequeno broto terá aquela virtude dos pequeninos, e o temor do Senhor. Caminhará no temor de Deus. Temor do Senhor que não é o medo: não. É dar vida ao mandamento que Deus deu ao nosso pai Abraão: ‘Caminha na minha presença e seja irrepreensível’. Humilde. Esta é humildade“.


Humildade

E somente os pequeninos, destacou ainda o Papa, “são capazes de entender” plenamente “o sentido da humildade”, o “sentido do temor de Deus”, porque “caminham diante do Senhor”, vigilados e protegidos, “sentem que o Senhor lhes dá a força para ir avante”. Esta é a verdadeira humildade, explicou Francisco:
“Viver a humildade, a humildade cristã, é ter este temor do Senhor que – repito – não é medo, mas é: “Tu és Deus, eu sou uma pessoa, eu vou avante assim, com as pequenas coisas da vida, mas caminhando na Tua presença e buscando ser irrepreensível”. A humildade é a virtude dos pequeninos, a verdadeira humildade, não a humildade um pouco teatral: não, aquela não. A humildade de quem dizia: ‘Eu sou humilde, mas orgulhoso de sê-lo’. Não, aquela não é a verdadeira humildade. A humildade do pequenino é aquela que caminha na presença do Senhor, não fala mal dos outros, olha somente para o serviço, se sente o menor … Ali está a força”.

Também é “humilde, muito humilde”, observou ainda o Papa pensando no Natal, “aquela jovem para a qual Deus “olha” para “enviar o Seu Filho”, e que logo depois vai até a prima Isabel e não diz nada sobre “aquilo que tinha acontecido”. A humildade é assim”, acrescentou Francisco, ”caminhar na presença do Senhor”, felizes, alegres porque “vigiados por Ele”, ”exultantes na alegria porque humildes”, justamente como se narra no Evangelho do dia sobre Jesus:

“Olhando Jesus que exulta na alegria porque Deus revela o seu mistério aos humildes, possamos pedir para todos nós a graça da humildade, a graça do temor de Deus, de caminhar na sua presença buscando ser irrepreensíveis. E assim, com esta humildade, possamos ser vigilantes na oração, operosos na caridade e exultantes de alegria no louvor. Assim seja”.

Fonte: Rádio Vaticano

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Oração pelas vítimas da tragédia aérea com a Chapecoense


Unamo-nos em oração pelo eterno descanso dos falecidos na tragédia aérea que vitimou 76 passageiros do voo da LaMia entre Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia, na madrugada desta terça-feira, 29 de novembro. Entre os 81 passageiros, dos quais 5 sobreviveram, viajava o time de futebol da Chapecoense, uma equipe cuja ascensão vinha encantando o Brasil e que se preparava para disputar a sua primeira final de um campeonato internacional, a Copa Sul-Americana.

ORAÇÃO PELOS FALECIDOS

Pai Santo, Deus Eterno e Todo-Poderoso,
nós vos pedimos pelos falecidos nesta tragédia,
a quem chamastes deste mundo.
Dai-lhes a felicidade, a luz e a paz.
Que eles, tendo passado pela morte,
participem do convívio de vossos santos na luz eterna,
como prometestes a Abraão e à sua descendência.
Que a sua alma nada sofra,
e vos digneis ressuscitá-los com os vossos santos
no dia da ressurreição e da recompensa.
Perdoai-lhes os pecados,
para que alcancem junto a Vós
a vida imortal no Reino eterno.
Por Jesus Cristo, Vosso Filho,
na unidade do Espírito Santo.
Amém.

(Rezar Pai-Nosso e Ave-Maria)
Dai-lhes, Senhor, o repouso eterno
e brilhe para eles a vossa luz! (3 vezes).

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

São José e o Natal: A provação de São José

Em todas os presépios São José está presente, ao lado de Maria e protegendo o Menino Jesus. Mas, para muitas pessoas, seu papel ainda é pouco conhecido.

Por ocasião da Encarnação o anjo revela que Maria será a Mãe de Jesus por obra do Espírito Santo, sem concurso 
Sao José.jpghumano. Começava aí a provação de São José.
De acordo com os costumes da época o matrimônio israelita era constituído por dois atos distintos: esponsais e núpcias.Assim, ao afirmar que Maria "estava prometida em casamento a José e, antes de viverem juntos, Ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo", o Evangelista situa o momento da Encarnação do Verbo no período posterior à cerimônia do compromisso, mas antes de Maria ir habitar na casa do esposo.
Alguns meses depois, eram visíveis os sinais da gestação do Menino Jesus. Contudo, Ela nada disse ao esposo. E ele nada perguntou...
São José era justo, frisa o Evangelista. E diante dessa Virgem que lhe fora dada como esposa, tomou uma atitude humilde e admirativa. A santidade da Virgem Maria era inquestionável. Todavia, também evidente e inexplicável era a realidade. Ele compreendeu que se deparava com um mistério e aceitou sem reparos os desígnios divinos que não entendia.
E, diante do inexplicável, José quis fugir, abandonando a esposa grávida, subtraindo-se assim às obrigações impostas pela Lei. Deste modo, assumiria sobre si a infâmia de ter abandonado sem motivo a esposa inocente e o futuro filho. Foi esta a sua escolha.
Bem se compreende que ele tenha resolvido abandonar Maria "em segredo", a fim de pô-La a salvo de qualquer suspeita. Mas, por que ocultar-Lhe essa decisão? Somente um extremo de delicadeza pode nos explicar esse silêncio: receava colocar sua Esposa na contingência de expor-lhe aquele mistério que ele, por humildade, julgava não ser dignoO Anjo aparece em sonho a São Jose.jpg de conhecer.
José então foi dormir com a disposição de no dia seguinte partir às ocultas. Então um anjo do Senhor lhe aparece em sonho e diz: "José, filho de Davi não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque Ela concebeu pela ação do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, e tu lhe darás o nome de Jesus, pois Ele vai salvar o seu povo dos seus pecados" (Mt 1, 20-21).
As palavras do anjo a São José confirmavam de modo irretorquível estar se cumprindo naquele momento a profecia feita por Isaias "Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho..." (Is 7, 14).
Bem podemos imaginar que, vencida a provação, ao acordar de manhã foi São José logo adorar a Jesus Cristo no seu primeiro e mais santo Sacrário: Maria Santíssima. Deus tinha Se encarnado e ali estava, sob sua guarda! Ele já não mais poderia olhar para Nossa Senhora sem adorar o Deus-Menino entronizado naquele incomparável Tabernáculo.
Sem dúvida São José, depois de atravessar, com admirável paz de alma, um terrível e lancinante sofrimento, teve a consolação de, depois da Santíssima Virgem, ser o primeiro adorador do Deus Encarnado. (Maria Rainha dos Corações, Boletim Informativo, n. 56, Nov/Dez 2011
Fonte: http://www.arautos.org/artigo/42887/sao-jose-e-o-natal--a-provacao-de-sao-jose.html

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A Coroa de Advento

Desde a sua origem a Coroa de Advento possui um sentido especificamente religioso e cristão: anunciar a chegada do Natal sobretudo às crianças, preparar-se para a celebração do Santo Natal, suscitar a oração em comum, mostrar que Jesus Cristo é a verdadeira luz, o Deus da Vida que nasce para a vida do mundo. O lugar mais natural para o seu uso é família.
Além da coroa como tal com as velas, é uso antigo pendurar uma coroa (guirlanda), neste caso sem velas, na porta da casa. Em geral laços vermelhos substituem as velas indicando os quatro pontos cardeais. Entrou também nas igrejas em formas e lugares diferentes, em geral junto ao ambão. Cada domingo do Advento se acende uma vela. Hoje está presente em escolas, hotéis, casas de comércio, nas ruas e nas praças. Tornou-se mesmo enfeite natalino. Já não se pode pensar em tempo de Advento sem a coroa com suas quatro velas.
Simbolismo da Coroa de Advento

Pelo fato de se tratar de uma linguagem simbólica, a Coroa de Advento e seus elementos podem ser interpretados de diversas formas. Desde a sua origem ela possui um forte apelo de compromisso social, de promoção das pessoas pobres e marginalizadas. Trata-se de acolher e cuidar da vida onde quer que ela esteja ameaçada. Podemos dizer que a Coroa de Advento constitui um hino à natureza que se renova, à luz que vence as trevas, um hino a Cristo, a verdadeira luz, que vem para vencer as trevas do mal e da morte. É, sobretudo, um hino à vida que brota da verdadeira Vida.

A mensagem da Coroa de Advento é percebida a partir do simbolismo de cada um de seus elementos.
O Círculo

A coroa tem a forma de círculo, símbolo da eternidade, da unidade, do tempo que não tem início nem fim, de Cristo, Senhor do tempo e da história. O círculo indica o sol no seu ciclo anual, sua plenitude sem jamais se esgotar, gerando a vida. Para os cristãos este sol é símbolo de Cristo.

Desde a Antigüidade, a coroa é símbolo de vitória e do prêmio pela vitória. Lembremos a coroa de louros, a coroa de ramos de oliveira, com a qual são coroados os atletas vitoriosos nos jogos olímpicos.
Os ramos verdes
Os ramos verdes que enfeitam o círculo constumam ser de abeto ou de pinus, de ciprestes. É símbolo nórdico. Não perdem as folhas no inverno. É, pois, sinal de persistência, de esperança, de imortalidade, de vitória sobre a morte.
Para nós no Brasil este elemento é um tanto artificial e, por isso, problemático, menos significativo, visto que celebramos o Natal no início do verão e com isso não vivenciamos esta mudança da renovação da natureza. Por isso, a tendência de se substituir o verde por outros elementos ornamentais do círculo: frutos da terra, sementes, flores, raízes, nozes, espigas de trigo.
Para ornar a coroa usam-se também laços de fitas vermelhas ou rosas, símbolo do amor de Jesus Cristo que se torna homem, símbolo da sua vitória sobre a morte através da sua entrega por amor.
Deste modo, nas guirlandas penduradas nas portas das casas, os laços ocupam o lugar das velas.
Lembram os pontos cardeais, a cruz de Cristo, que irradia a luz da salvação ao mundo inteiro.
As velas
As quatro velas indicam as quatro semanas do Tempo do Advento, as quatro fases da História da Salvação preparando a vinda do Salvador, os quatro pontos cardeais, a Cruz de Cristo, o Sol da salvação, que ilumina o mundo envolto em trevas. O ato de acender gradativamente as velas significa a progressiva aproximação do Nascimento de Jesus, a progressiva vitória da luz sobre as trevas.Originariamente, a velas eram três de cor roxa e uma de cor rosa, as cores dos domingos do Advento.
O roxo, para indicar a penitência, a conversão a Deus e o rosa como sinal de alegria pelo próximo nascimento de Jesus, usada no 3º domingo do Advento, chamado de Domingo “Gaudete” (Alegrai-vos).
Existem diferentes tradições sobre os significados das velas. Uma bastante difundida:
  • a primeira vela é do profeta;
  • a segunda vela é de Belém;
  • a terceira vela é dos pastores;
  • a quarta vela é dos anjos.
Outra tradição vê nas quatro velas as grandes fases da História da Salvação até a chegada de Cristo. Assim:
  • a primeira é a vela do perdão concedido a Adão e Eva, que de mortais se tornarão seres viventes em Deus;
  • a segunda é a vela da fé dos patriarcas que crêem na promessa da Terra Prometida;
  • a terceira é a vela da alegria de Davi pela sua descendência;
  • a quarta é a vela do ensinamento dos profetas que anunciam a justiça e a paz.
Nesta perspectiva podemos ver nas quatro velas as vindas ou visitas de Deus na história, preparando sua visita ou vinda definitiva no seu Filho Encarnado, nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo:
  • o tempo da criação: de Adão e Eva até Noé;
  • o tempo dos patriarcas;
  • o tempo dos reis;
  • o tempo dos profetas.
Fonte: http://www.franciscanos.org.br/?p=5850

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Na presença de Cristo


Tomai, Senhor,
e recebei toda a minha liberdade, 
a minha memória também. 
O meu entendimento 
e toda a minha vontade 
tudo o que tenho e possuo, 
vós me destes com amor. 

Todos os dons que me destes, 
com gratidão vos devolvo, 
disponde deles Senhor, 
segundo a vossa vontade. 

Dai-me somente, o vosso amor, 
vossa graça isto me basta, 
nada mais quero pedir. 


Santo Inácio de Loyola